05/07/2008

O "Problema" da Idade...


Não, desta vez não é um problema matemático. Hoje resolvi fazer um post mais pessoal, um post sobre um assunto comum: a idade.
Eu tenho uma ideia diferente de idade e por isso faz-me uma certa confusão atitudes que algumas pessoas têm em relação à sua idade.
Existem algumas pessoas que quando atingem uma certa idade dizem que ficaram por aí, que deixaram de fazer anos. Diz-se que quando se atinge os "enta" nunca mais de lá se sai; isso é relativo: há quem chegue aos cem!
Têm alguma vergonha de dizer a idade talvez por se sentirem constrangidas, gostariam de voltar a ter menos uns aninhos ou talvez pensem que os outros as possam achar velhas.
Acho que tenha a idade que tiver eu vou gostar sempre de comemorar o meu aniversário, vou gostar de apagar as velas e de contar os meus anos com os meus amigos, não me vá eu enganar na conta! E penso que não vou ter qualquer problema em assumir a minha idade.
Na minha opinião a idade é apenas algo "físico", é algo que medimos: é a medição do número de anos que cá estamos, nada mais. Sim, eu sei que "A idade não perdoa!", que à medida que os anos vão passando o corpo vai envelhecendo e que não mantemos a figura que tínhamos em jovens, mas será que a verdadeira juventude é física?
Pode ser para muita gente mas para mim não! A juventude tem a ver com a pessoa, com a maneira de ser da pessoa, com a maneira de como essa pessoa encara a vida, com a maneira de conviver, enfim a juventude tem a ver com o espirito e não com uma medida.
Existem pessoas novas de idade mas velhas de espírito para quem tudo é indiferente e pessoas mais velhas mas com um espírito muito jovem, com uma grande vontade e alegria de viver. Não é a idade que determina a juventude da pessoa, é a própria pessoa.
Além disso, com o avançar dos anos vem a experiência e a sabedoria que são sempre vantagens.
Uma pessoa é formada e influenciada por aquilo que viveu e vive, pelas experiências que teve e que tem, pelo seu espírito não pela sua idade.

11 comentários:

antonio disse...

A idade é o fim da imortalidade. Quando se é jovem o nosso tempo é eterno, e nós somos como o tempo, mas quando nos damos conta que temos pela frente muitos menos anos do que aqueles que deixámos para trás, percebemos o como somos perenes... e isso doi na alma.

Metódica disse...

Há quem fique imortalizado ;)

Não somos eternos, é um facto e temos que saber viver com isso e na minha opinião a melhor maneira de o fazer é vivendo.
Não interessa quanto tempo temos interessa sim a maneira como é vivido.
Há pessoas que morrem jovens, há bebés que nem tiveram uma oportonidade de conhecer este mundo...
Além disso ninguém sabe ao certo quanto tempo tem, podemos ter muito tempo ou apenas uns minutos.
O tempo é uma relatividade :)
E a joventude não tem idade.

antonio disse...

O optimismo não tem idade. Ainda bem!

alf disse...

bem, a nossa relação com a idade tem fases... na tua idade, somos imortais; depois percebemos que não é assim. O António diz duas coisas magníficas - que a consciência disso doi e que "a idade é o fim da imortalidade". Fantástica esta definição!

Mas, amigo antónio, há ainda uma terceira fase: quando perdemos o medo de morrer, ou quando aprendemos a aceitar a vida como ela é. Aí, voltamos a ser imortais. Parafraseando o Vinicius, como qualquer paixão, a vida é eterna... enquanto dura.

Mas temos de aprender a ter essa atitude - viver a vida como se ela não tivesse fim e, no entanto, estando conscientes de que estamos de passagem (e isto não significa acreditar em vida pessoal depois da morte, eu não acredito)

Metódica disse...

Alf
Sabias palavras meu caro ;)

Não sei se na minha idade somos imortais, acho que a liberdade que temos dá essa sensação.

Mas quem quer ser imortal não pode dar importacia a idade, o segundo segredo * da imortalidade está na juventude, e essa está ao alcance de quem a quiser =)

*O Alf já desvendou o primeiro segredo!

Fa menor disse...

A idade é o que menos me preocupa...
preocupa-me mais as rugas, essa parte visível da idade. Mas não se pode ter tudo. A idade traz a maturidade que em jovem não há, digo eu que ainda sou jovem! ;)

Beijinhos

Metódica disse...

Pois as rugas... ainda não tinha oensado nisso, mas também não há de ser um problema assim tão grande =P
Podemos sempre dizer que são sinal de sabedoria eheh
Sim penso que a maturidade também é uma das coisas que a idade trás

leprechaun disse...

Hummm... sim, a importância da idade é muito relativa, mas há um ditado chinês algo enigmático que define a relação natural da idade vs. mortalidade, vide o conto zen A ordem natural.

O pai morre. O filho morre. O neto morre.

Isto é um ditado de bom augúrio, porque é bom quando essa sequência natural acontece.

Nestes últimos 2 anos, tenho-me deparado com casos pessoais e mesmo um familiar, em que não só essa ordem é invertida como as circunstâncias da partida irreversível são insuportavelmente dolorosas e dramáticas.

Falo desse tipo de tragédias que nos podem fazer envelhecer anos em poucos dias ou meses, e para os quais só existe talvez o único escudo do conhecimento de nós próprios e da perenidade sempre frágil desta maravilhosa existência.

E, contudo, como pode ela deixar de ser assim tão amada por quem apressa a sua partida, não deixando sequer espaço para a natural e salutar despedida?!

Já ouvi também dizer que não há alegria que se compare ao nascimento de um filho, mas a sua partida prematura gera uma tal dor que supera essa felicidade.

Não, a idade física de facto é um mero acidente sem importância, mas tudo aquilo que fazemos no breve tempo desta existência tem ramificações extensíssimas de que nem nos apercebemos.

Alegria, consolo, contentamento: é esse o fito da nossa vida. Mas só se dá o que já se tem, logo torna-se imperioso aprender a beber dessa fonte de água viva que jorra lá onde se não vê... mas sente e crê!

Sua origem não a sei, pois não a tem,
mas sei que toda a origem dela vem,
mesmo de noite.


São João da Cruz

Metódica disse...

Leprechaun lamento...

Essas situações fazem com que as pessoas envolvidas cresçam mais depressa sem dúvida, é por isso que há pessoas q apesar de serem jovens sao muito adultas e outras q embora sejam mais velhas são um pouco imaturas.

O que nos faz crescer são as situações por que passamos e são essas situações que nos amadurecem e modelam a nossa personalidade.
É o que vivemos que nos faz crescer!

Lininha disse...

Hmm..resolví cuscar os teus antigos postes, ainda não tinha lido este...
E...tudo muito bem dito..:)
Concordo contigo..=)
Bjos...

Metódica disse...

Pois é, Lininha...
É uma vergonha n tenho tido tempo nenhum para o Método :(

Mas obrigada pela visita =D